Centro Histórico de Lisboa (Parte 1)

19-07-2017

O início escolhido por si poderá ser influenciado pelo local onde se situa o seu hotel. Vamos supor que o mesmo se situa numa zona central (optamos pela zona do Marquês do Pombal). Assim, pode começar visitando o Parque Eduardo VII. Do cimo da colina tem uma vista privilegiada sobre toda a cidade de Lisboa. Em primeiro plano a estátua do Marquês de Pombal (responsável pela reconstrução da cidade após o Grande Terremoto de 1755). Conseguirá também ver o Castelo de São Jorge, o famoso Bairro Alto, a Baixa lisboeta e, ao fundo, o Rio Tejo.

Desça a Avenida da Liberdade, a principal da cidade. Admire a bela calçada portuguesa, a arquitectura e aproveite para entrar em algumas lojas de comércio local.

Chegamos assim à Praça dos Restauradores , que celebra a libertação de Portugal do domínio espanhol em 1640. Nesta praça está também o Elevador da Glória(construído em 1885), que faz o trajecto colina acima, para o Bairro Alto.

Continue a descer em direcção à Praça do Rossio. Esta grande Praça, bem no centro da cidade de Lisboa, possui duas grandes fontes de água (uma em cada extremidade), uma estátua de D. Pedro IV e um belíssimo chão em calçada portuguesa. No lado norte da praça fica o imponente Teatro Nacional D. Maria II, que recebeu o nome da filha de D. Pedro.

Daqui pode ver o Teatro D. Maria II e a magnífica Estação Ferroviária do Rossio, com uma fachada imponente e várias linhas de comboio (linhas de Sintra).

Por trás encontra-se a Praça da Figueira, com a sua estátua de D. João I, montado a cavalo. Daqui pode entrar em Alfama (o bairro mais antigo de Lisboa), para chegar ao Castelo de São Jorge. A subida é difícil, pelo que recomendamos que apanhe o autocarro ou o eléctrico.

No caminho para o castelo, passará ainda pela Igreja da Sé de Lisboa, mandada construir em 1150. Vale a pena conhecer a Igreja por dentro.

Chegando ao Castelo de São Jorge desfrute da vista do alto do Castelo e tire muitas fotos.

O regresso ao centro histórico de Lisboa, faça-o a pé, por forma a não perder nada do Bairro de Alfama, com as suas ruas estreitas e "ambiente típico Português". Sempre a descer, chegará à Rua Augusta, onde pode aproveitar o comércio tradicional e ver vários artistas de rua. Desça toda a rua até atravessar o Arco e você sairá na enorme Praça do Comércio, bem à beira do Rio Tejo. Um dos lugares mais fantásticos da cidade. Aproveite para ver o pôr-do-sol, sentado numa das esplanadas...